REALCES

blog

Parar e pensar para continuar

Em todos os meus posts, poucas têm sido as palavras sobre making-off e preparação do trabalho.

No Verão, como imaginarão, são pouco propícias as condições para encontrar anfíbios, principalmente espécies que dependem ainda mais de humidade. Ainda assim aproveitei para fazer alguma pesquisa de campo percorrendo zonas ribeirinhas e tanques que tenho marcados como bons “spots”.

Neste caso, a comparação em imagem satélite versus imagem feita com drone de uma dessas zonas, onde ocorrem espécies mais comuns, como a Rã-verde, mas também outras menos conhecidas e particulares como o Sapo-parteiro-comum. Nas saídas que fiz neste local onde já tinha referenciado Alytes obstreticans não consegui encontrar nenhum indivíduo… Resta voltar a explorar com as primeiras chuvas que começam a fazer-se sentir.

De forma a minimizar estes erros de percurso e potenciar ao máximo cada saída, os estudos de possíveis locais são sempre acompanhados de pesquisa bibliográfica e de questões feitas a algumas pessoas que conhecem, por exemplo, os melhores sítios na Serra da Estrela para encontrar algumas espécies.

É um dos pontos que considero indispensáveis para quem quer fotografar (não só vida selvagem) com seriedade - estarmos preparados. Obviamente que alguma sorte também ajuda… Nunca saberei, por mais preparado que esteja sobre a biologia e comportamento de uma espécie, se encontrarei nesse dia a espécie que tenho como objectivo para fotografar. Ainda assim, quando não se consegue, há-que ser persistente e tentar outra e outra vez, e aproveitar o tempo em que estamos num local para fotografar habitat e outras espécies de coabitam esses espaços… Foi o que fiz quando não encontrei Sapo-parteiro-comum.

Agora é esperar por melhores dias - que neste caso são dias chuvosos dos quais a maior parte das pessoas não gostam. Para mim, essa altura do ano tarda.

Hugo de Sousa.

Projecto Realces